Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dia dos namorados que já não escrevem cartas de amor

por twin_mummy, em 12.02.17

coracao.jpeg

Lembro-me das cartas de amor da minha adolescência. Andei numa escola secundária pouco convencional em que uma das iniciativas era fomentar a troca de cartas de amor no Dia de São Valentim.

 

Hoje em dia certamente acharão piroso -caramba... eu própria se pensar nisso de forma mais profunda também acho!- mas não há SMS que chegue aos cacanhares de uma boa carta de amor.

cartas.jpg

 

Não falo daqueles bilhetes que trocávamos no recreio da primária em que dizia simplesmente 'Gosto de ti. Gostas de mim?' e depois tinha três opções: sim, não e talvez, seguidos de um quadradinho onde o/a destinatário/a deveria colocar um 'X' a assinalar a sua escolha. Esses nunca apreciei. Nem a serenata feita por um admirador inconsciente, ao qual eu já tinha explicado com todas as palavras que não gostava dele. Se decidiu interromper-me a aula de Desenho ao gritar juras de amor para um 2º andar e declarar-se em frente a toda a escola, no fundo merecia a vergonha que passou -quando é que estes gajos vão aprender a ouvir as mulheres?- mas ok, foi um gesto bonito, estupido mas bonito!

 

camoes.jpg

Falo antes de cartas melosas e bem pensadas, de poemas roubados a um tal de Camões ou a uma tal de Florbela Espanca ou, muito raramente mas ainda melhor... vindos da alma e escritos por um punho que tremia de emoção.

 

Sim, no 'meu tempo' escrevia-se à mão. Cartas, trabalhos da escola, postais das terriolas que se visitava. Comprava-se selos bonitos e enviava-se para o destinatário dentro de envelopes igualmente escolhidos a dedo. Hoje bloga-se dedicatorias, publica-se videos no perfil de facebook do objecto da nossa afeição e manda-se selfies  de beiçola esticada. E onde fica o amor?

 

papel carta.jpg

Recordo-me de ter um conjunto de papel de carta em tom de rosa velho (para os gajos leitores deste blog é aquele tipo de rosa em que se mistura água e se deixa secar ao sol, como velhas pétalas de rosa) com uma flor a baixo relevo (como que impressa mas sem tinta, estilo selo em branco). Guardava para as ocasiões mais especiais, para os amigos mais especiais. E a caneta era igualmente escolhida a rigor. Tinha uma caneta de tinta da china, da qual confesso já não saber o paradeiro. Nesse papel tudo fazia outro sentido. O amor era mais... amor!

 

Mas -pasme-se!- eu não escrevia assim muitas cartas de amor. Poemas sim, escrevi muitos. De amor, de desespero, de amor novamente. Porque as paixões de adolescência são assim... é o êxtase em homenagem àquele amor único, a morte do artista perante o desgosto e de repente a tomada de consciência que há mais peixes no mar e alguns deles que até nadam bastante bem. Guardava-os todos para mim, porque achava que no fundo os meus sentimentos a mim me pertencem, mas sobretudo porque era mesmo para mim que os fazia. Como desabafo, como testemunho, como... forma de existir. E sim, já escrevi alguns ao co-irresponsável que ele insiste em guardar. É aquele lado meloso dele que poucos conhecem.

 

Sim, hoje estou poética. Talvez porque me apercebi que ao fim de quase 22 anos ainda estou apaixonada pela mesma pessoa que me roubou o coração de uma forma que eu nunca iria esperar. De início detestei-o por não me ter emprestado a prancha de surf, por não ter aceite o meu convite para ir andar a cavalo. Uns anos -e uns copos- depois os olhos deles brilharam de uma outra forma e foi neles que eu me perdi - e que ainda me perco!

16735359_1289565154461093_56657447_o.jpg

Nunca gostámos de tradições consumistas, e por isso o dia dos namorados é por norma um jantar especial a dois. Mas agora somos pais de... dois! De dois mabecos que ainda ontem nasceram e já têm 6 anos. E por isso este ano o jantar será a 4. Fiz questão de convidar formalmente os miúdos para o jantar especial de terça feira. Porque se eu e o pai somos namorados a eles também o devemos. Engane-se quem pensar que as crianças salvam uma relação, pelo contrário penso que a ponham à prova, e como a prova tem sido superada também com a ajuda deles, é apenas justo que celebrem connosco.

16709668_1289525657798376_2099668212_o.jpg

 

E a vocês cuscos que para aí pensam... e que será o jantar? Confesso que andei a pesquisar aqueles pratos especiais que me deixariam na cozinha uma boa hora e meia. Mas para quê? E assim decidi que serão uns especiais... bifes! Daqueles que se derretem na boca, acompanhados de cogumelos portobello e de batata doce frita -que me faz lembrar a infância- e um tinto de ocasião - Ping'Amor! E a parte melhor é que se faz em 10 minutos. E o resto do tempo? Namora-se!

 

Mas fica o desafio... escrever uma carta de amor pirosa à moda antiga. Quem alinha?

As imagens utilizadas neste blog são na sua maioria de autoria própria ou de amigos e familiares, com o devido consentimento. A autoria daquelas que são retiradas da internet será indicada sempre que seja possível fazê-lo de forma inequívoca, mas mesmo assim poderão ser removidas caso o autor o entenda, bastando para tal contactar-me para o e-mail aqui indicado.


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728



O MEU E-MAIL

mail.twinmummy@gmail.com Enviem perguntas, sugestões, ou simplesmente digam olá!

A MINHA PÁGINA DO FACEBOOK

https://www.facebook.com/TwinMummyblog